Informativo

De olho no Parapan-Americano, Thaís Severo intensifica rotina de treinos

Atleta da ADFEGO já está de olho no Parapan-Americano e na vaga para os Jogos Rio 2016

seletivaparalímpica-23

Após a realização da seletiva nacional para o Parapan-Americano Toronto 2015, em Joaçaba, no último dia 3 de novembro, a cabeça dos atletas classificados já está voltada para o Canadá. No entanto, eles terão algumas competições pelo caminho antes de embarcarem para o torneio que será realizado entre os dias 7 e 15 de agosto.

Um dos desafios será a Copa Costa Rica, marcada para acontecer de 17 a 22 de dezembro, na cidade de San José. Atleta da classe 03, Thais Severo não quer saber de descanso após a conquista da vaga para o Parapan e já estão se preparando para o campeonato no país da América Central.

“Mudei um pouco minha rotina de treinamentos e estou trabalhando quatro horas por dia, de segunda a sexta-feira, para me preparar da melhor forma possível para esse e outros torneios”, disse a atleta de apenas 21 anos.

“Estou mais motivada ainda para seguir me dedicando e tenho treinado forte junto com o pessoal da ADFEGO-GO para fazer bonito nos próximos torneios”, completou.

Se torneios como a Copa Costa Rica servem de preparação para o Parapan, o evento de Toronto desperta o interesse dos atletas por ser o caminho mais curto para os Jogos Rio 2016, já que o campeão do Parapan garante a vaga direta. Sabendo disso, Thaís vai em busca de bons resultados desde já.

“Esse evento tem uma importância grande, pois serve para pleitearmos uma bolsa internacional, que vai ajudar muito. Além disso, diversos atletas que estarão na Costa Rica vão para o Parapan, que é o grande objetivo de agora em diante. O campeão fica com a vaga e é atrás dela que eu vou”, finalizou Thaís.

Copa Costa Rica terá 60 atletas brasileiros

A delegação brasileira na Costa Rica contará com sessenta atletas de diferentes classes. Com um número grande de participantes já confirmados, a expectativa do técnico da seleção brasileira de andantes, Paulo Camargo, é de um nível superior ao da Copa Tango, que ocorreu na última semana, por exemplo.

“A Copa Tango era fator 20, então é natural que seja uma competição de nível um pouco menos elevado para os nossos atletas. Nenhum resultado fugiu do esperado, até pela qualidade deles (foram quinze medalhas, sendo três e ouro). Na Costa Rica, esperamos que o nível técnico seja um pouco mais alto”, projetou Paulo.

A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa conta com recursos da Lei Agnelo/Piva – Lei de Incentivo Fiscal e Governo Federal – Ministério do Esporte.

Fonte: CBTM