Informativo

Primeiro exoesqueleto permite pessoa com paralisia se movimentar com o controle da mente

Dois anos atrás, Antonio Melillo sofreu um acidente de carro que fraturou completamente sua medula espinhal. Ele não foi capaz de se mover ou sentir as pernas desde então. E aqui estou eu, em um laboratório na Fundação Hospital Santa Lúcia, em Roma, Itália, vendo o andar.

Melillo é uma das primeiras pessoas com paralisia dos membros inferiores para experimentar “Mindwalker” (andar com a mente), primeiro exoesqueleto do mundo, que tem por objetivo capacitar e posibilitar a pessoa paralisada a andar usando apenas sua mente.

Cinco pessoas foram envolvidas no ensaio clínico de “Mindwalker” ao longo das últimas oito semanas. O julgamento culmina esta semana com uma revisão por parte da Comissão Europeia, que financiou o trabalho, o projeto foi realizado por um consórcio de várias das principais universidades e empresas.

É o fim de um período de desenvolvimento de três anos para o projeto, que tem três elementos principais. O próprio exoesqueleto, uma engenhoca que mantém o peso corporal de uma pessoa e se move as pernas quando solicitado. As pessoas aprendem a usá-lo no segundo elemento: um ambiente de realidade virtual. E depois há a componente de leitura da mente.

No canto do laboratório, Thomas Hoellinger da Universidade Livre de Bruxelas (ULB) na Bélgica está usando um boné EEG, que mede a atividade elétrica em vários pontos em todo o couro cabeludo. Existem várias maneiras que ele pode usá-lo para controlar o exoesqueleto através do pensamento sozinho, no momento, a mais promissora envolve o uso de um par de óculos com bruxuleantes diodos ligados a cada lente.

Cada conjunto de diodos pisca com uma frequência diferente na visão periférica do portador. A luz é processada por uma área do cérebro chamada de córtex occipital. Medidas desta parte do cérebro pode detectar se Hoellinger está se concentrando no diodo para a esquerda ou para a direita. Ele me mostra como se concentrar no lado esquerdo e começa a caminhada do exoesqueleto, enquanto se concentra no lado direito interrompe. Tudo isso acontece em menos de um segundo.

Melillo não está usando o boné EEG, porque a equipe deparou com um problema. Quando o exoesqueleto se move, seus motores induzem um ruído elétrico no sinal de EEG, fazendo com que as leituras se tornem nao confiáveis.

Então, ao invés de controle da mente, Melillo está andando, movendo seu corpo superior. Quando ele se inclina para a esquerda, um sensor de pressão logo acima de sua nádega registra o movimento e move a perna oposta do exoesqueleto. Ele repete o processo do outro lado para começar a andar. “É ótimo, uma sensação incrível”, diz ele. “Não é apenas caminhar, mas tambem ser capaz de ficar de pé”.

Dois dias depois da minha visita, a equipe identificou uma tremulação nas freqüências que são menos afetadas pelo ruído mecânico e filmou um pesquisador controlar o exoesqueleto com a mente em paz.

A equipe planeja gastar mais cinco anos refinando “Mindwalker” com um olho para a construção de um produto comercial. “Nós estamos indo para torná-lo mais leve e suavizar os movimentos”, diz Jeremi Gancet de Serviços de Aplicação espaço em Zaventem, na Bélgica, um vice-coordenador do projeto “e, possivelmente, até mesmo incorporar tudo isso em um par de calças para fazer um pouco menos robotico”.


Eles também querem abandonar os óculos com os diodos piscando. Uma equipe liderada por Guy Chéron da ULB identificou a atividade do cérebro que corresponde com a intenção de caminhar. Esta actividade ocorre cerca de um segundo antes de mover-se, na verdade, podem ser identificadas por sinais de EEG do córtex motor. A equipe pode até mesmo distinguir entre a intenção de caminhar rapidamente ou lentamente.

A criação de um algoritmo que é capaz de reconhecer esses sinais confiáveis, abre a possibilidade tentadora de que o controle da caminhada é muito mais intuitivo é poderia ser dada tanto para as pessoas que estão paralisadas quanto para aqueles que estão completamente ‘travado’, incapaz de se mover até mesmo seus olhos.

Depois de alguns primeiros passos, Melillo está olhando mais confiante. Ele não vai trocar sua cadeira de rodas por um “Mindwalker” ainda, mas espero que um dia. “É ótimo finalmente ser capaz de olhar as pessoas nos olhos”, diz ele.

Veja o video


Fonte:http://www.newscientist.com/article/dn23640